MicroRNAs modulados pelo exercício físico podem levar a adaptações cardiovasculares benéficas

Os processos fisiológicos e bioquímicos envolvidos no metabolismo e no exercício físico vão muito além dos que os olhos conseguem ver. Uma das partes microscópicas que integram esses processos são os microRNAs, moléculas com papel fundamental devido a sua função regulatória, inibindo a expressão de determinados genes.

O microRNA-34c* é um importante componente nesse sentido e sua ação é amplamente estudada pelo Laboratório de Bioquímica e Biologia Molecular do Exercício da EEFE-USP. O laboratório observou que esse microRNA tem expressão diminuída com o exercício físico e iniciou essa pesquisa com a dissertação de mestrado da aluna Clara Nobrega.  

Ação em gene ligado a adaptações cardiovasculares

Em seu trabalho de Iniciação Científica, Fabricio Moliterno Silva e Gabriel de Sousa Monteiro estudaram a ação do microRNA-34c* sobre a expressão do gene KLF11, ligado à hipertrofia cardíaca fisiológica e à captação de glicose no tecido cardiovascular. Os alunos de graduação foram orientados pela Profa. Dra. Edilamar Menezes de Oliveira, coordenadora do Laboratório.  

Estudo foi conduzido no Laboratório de Bioquímica e Biologia Molecular do Exercício da EEFE-USP

Para realizar a pesquisa, os estudantes submeteram uma cultura de células cardíacas capazes de sofrer remodelamento (cardiomiócitos) à aplicação de um anti-miRNA específico para diminuir o microRNA-34c*. O procedimento conduziu à maior expressão do gene KLF11 e ao consequente aumento na captação de glicose e também na expressão de GLUT4, que é um canal facilitador da entrada de glicose nas células. 

A importância da captação de glicose 

A glicose é essencial para que o tecido cardiovascular, assim como para grande parte de nossos tecidos, para exercerem melhor a sua função. Pacientes diabéticos captam pouca glicose, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como a insuficiência cardíaca. Isso acontece devido à baixa produção de insulina ou a resistência a ela, o que prejudica a sinalização e função do GLUT4 para levar a glicose para nossos tecidos. 

A glicose é essencial para que o tecido cardiovascular, assim como para grande parte de nossos tecidos, para exercerem melhor a sua função.

O exercício físico aumenta essa captação da glicose de forma independente da insulina e sabe-se que esse aumento é feito por diversas adaptações metabólicas. O trabalho dos estudantes investigou uma das possíveis vias para esse efeito por meio da regulação gênica com a diminuição do microRNA-34c*, obtendo resultados favoráveis ao aplicar o inibidor adequado.

Possíveis aplicações e menção honrosa

Segundo Fabrício, a expectativa é que eventualmente seja possível desenvolver um tratamento a partir do inibidor do microRNA-34c*, o que beneficiaria as pessoas diabéticas, diminuindo o risco cardiovascular associado à doença. 

A expectativa é que eventualmente seja possível desenvolver um tratamento a partir do inibidor do microRNA-34c*

O trabalho, intitulado “Papel do microRNA-34c-3p na captação de glicose e translocação do Glut4 em cardiomiócitos”, recebeu menção honrosa na etapa internacional do 29º Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP. Assista abaixo à apresentação do trabalho durante o evento, no dia 13/10/2021.